“Fantástico” entrevista mulher que acusa Felipe Prior de estupro

ATENÇÃO: a matéria a seguir aborda assuntos como abuso e violência sexual, o que pode ser gatilho para algumas pessoas. Caso você esteja passando ou conheça alguém que possa estar sendo vítima deste tipo de violência, procure o canal de denúncia da Mulher, Família e dos Direitos Humanos, pelo telefone 100.

O “Fantástico” divulgou na noite deste domingo (16) uma entrevista exclusiva com Themis, mulher que afirma ter sido violentada pelo ex-BBB Felipe Prior em 2014. O caso repercutiu no começo da semana passada depois que ele foi condenado a seis anos de prisão em regime semiaberto, mas ainda pode recorrer em liberdade.

(Foto: Globo)

Em um relato muito delicado, Themis detalhou tudo que aconteceu na noite de 8 de agosto de 2014. Hoje com 31 anos, ela tinha 22 na época e cursava arquitetura numa universidade particular, em São Paulo — a mesma de Felipe Prior. Na entrevista, explicou que o conheceu por meio de um esquema de caronas da faculdade.

“A gente começou a ter contato por conta de uma colega minha, de sala, que também estudava na Zona Norte, né? Todos nós morávamos na Zona Norte. Ela conversou com ele e sugeriu da gente fazer um esquema de caronas pagas, né? Já que a gente morava todo mundo perto”.

O caso ocorreu de madrugada após uma festa na Faculdade de Arquitetura e Urbanismo da USP. “Na hora de ir embora, eu cruzei com Prior. Ele, ah, também tô indo, você quer uma carona? Aí falei, tá bom. Essa minha amiga que estava comigo ela também morava na Zona Norte. Ele deixou primeiro a minha amiga na casa dela. E quando a gente estava indo sentido a minha casa, ele parou o carro no meio da rua. E desafivelou meu cinto, começou a me beijar. E aí ele foi pro banco de trás e me puxou”.

“Começou a tirar minha roupa. E, à medida que as coisas iam acontecendo, ele se tornava cada vez mais agressivo comigo. Eu falei: ‘Felipe, eu não quero’. Eu comecei a tentar resistir fisicamente e ele começou a puxar meu cabelo. Começava a me segurar pelos braços, me segurar pela cintura. Começou a forçar a penetração. […] Foi bem doloroso. Eu gritei. Começou a sair muito sangue”, relembrou.

Após o estupro, Themis diz que Felipe Prior viu o sangue e perguntou se queria ir ao hospital. Muito assustada, ela negou e pediu para ser levada até sua casa. Quando chegou, tentou estancar o ferimento no banheiro, mas sem sucesso. “Fiquei no chuveiro tentando estancar o sangue sozinha, mas minha pressão já estava muito baixa. Fui acordar minha mãe e pedi para ela me ajudar”.

Lá, foi atendida por uma médica, que atestou o ferimento, “uma laceração de grau 1 – compatível com fricção de pênis ou introdução de outro instrumento na vagina”, segundo o prontuário que o “Fantástico” teve acesso. “A médica me perguntou diversas vezes, perguntou para minha mãe o que, de fato, tinha acontecido. Que lá era um lugar seguro, que eu podia confiar nela, que era necessário falar a verdade, mas eu não quis falar”, contou.

Após o ocorrido, Themis explicou que ficou com medo de Felipe Prior “falar para outras pessoas” e ela “ficar marcada por essa situação”. Porém, com o passar dos anos, ela entendeu que foi vítima de um abuso e decidiu denunciar depois de descobrir prints de outras mulheres que alegam ter passado pela mesma experiência com o ex-BBB. A reportagem do “Fantástico” ainda revelou que também existem outras três denúncias de estupro. Em uma, ele já é réu. As outras duas ainda estão sendo investigadas.

“Eu posso ajudar as outras mulheres a terem coragem de se posicionar. Porque isso precisa parar. Isso precisa parar”, disse. “Infelizmente ela faz parte da minha história. O que eu posso fazer com ela hoje é mostrar para o mundo que nenhuma mulher merece ter uma ferida dessas”.

A decisão de condená-lo neste caso de Themis foi da juíza Eliana Cassales Tosi Bastos, da 7ª Vara Criminal de São Paulo, e se baseia no relato de que Felipe Prior utilizou força física para praticar o abuso, “segurando-a pelos braços e pela cintura, além de puxar-lhe os cabelos, ocasião em que Themis pediu para ele parar, dizendo que ‘não queria manter relações sexuais’”.

Isso quer dizer, então, que o ex-BBB será preso? Não, pois a condenação é em primeira instância.

De acordo com o Jusbrasil, existem vários tipos de processos diferentes no Direito e a maneira como eles se desenvolvem também são diferentes. Ao entrar com um processo na primeira instância, o caso terá início numa vara correspondente à natureza do conflito para ser julgado por um juiz de direito.

Após todo o trâmite e deferida a sentença pelo juiz, se alguma parte não concordar com o resultado, terá direito ao recurso. Esse recurso, é de motivação livre, pois só depende da vontade de uma das partes para acontecer.

Dado entrada com o recurso, o processo não será avaliado pelo mesmo juiz de direito, na verdade, ele irá para um tribunal, onde será julgado por desembargadores (juízes de 2a instância). Sobre essa decisão, não chamamos mais de sentença, mas sim de acórdão. Ela é dada pelo colegiado de desembargadores (geralmente em grupos de 3) e, após essa decisão, a princípio, não caberia mais qualquer recurso.

Author

Share