Briga de Anitta e Leo Dias alimenta indústria da fofoca

Categories

Share

No dia em que as imagens e declarações recheadas de palavrões de uma agora mais que polêmica reunião do presidente Jair Bolsonaro e seu gabinete invadiram os sites, jornais e noticiários de televisão no final de maio, era difícil imaginar outra notícia que pudesse roubar tão cedo os holofotes e os pontos de audiência.

Mas uma troca de farpas envolvendo áudios vazados entre Anitta e o seu biógrafo, o blogueiro de celebridades Leo Dias, logo ofuscou os impropérios do presidente, que distribuía insultos a desafetos, como os governadores de São Paulo e do Rio de Janeiro, chamados por ele de “bosta” e “estume”, nesta ordem.

Só no site deste jornal, a briga da estrela pop com seu mais novo inimigo público número um chegou a registrar quatro vezes mais acessos do que as notícias sobre aquele acalorado encontro no Palácio do Planalto.

Anitta diz ter sido ameaçada e chantageada por Leo Dias na internet Montagem Anitta diz ter sido ameaçada e chantageada por Leo Dias na internet ** Os números mostram como, para parte da população, a briga de uma celebridade musical contra um jornalista gera mais interesse do que uma reunião política que pode mudar os rumos do país em meio a uma pandemia que infectou milhões pelo mundo e já matou mais de 34 mil brasileiros. Também mostram que uma indústria, ao contrário de todas as outras, resiste à crise do coronavírus – a da fofoca.

Na semana passada, a Justiça acatou pedido de Anitta para que Leo Dias não pudesse nem mais citar seu nome. Nem ela nem o blogueiro aceitaram dar entrevistas a este repórter nos últimos dias –outros jornalistas de celebridades e assessores de famosos aceitaram falar, mas pediram que seus nomes fossem mantidos em sigilo.

Esse é só mais um capítulo numa longa tradição de embates entre o jornalismo e as celebridades que são alçadas a manchetes, quer queiram, quer não. Desde “A Doce Vida”, clássico de Federico Fellini rodado há seis décadas que traz entre seus personagens um fotógrafo de nome Papparazzo, a indústria costuma retratar os jornalistas como predadores vorazes e as personalidades famosas como as suas vítimas.

É um ponto de vista que faz sentido, e que teve seu auge em 1997, com a trágica morte da princesa Diana e de seu namorado Dodi Al-Fayed, que bateu o carro num túnel de Paris quando tentavam escapar da perseguição de fotógrafos em motocicletas. Os tabloides britânicos, como Daily Mirror e The Sun, contudo, nunca fecharam as suas portas e ainda hoje evaporam das bancas.

É um filão da imprensa que atinge grande audiência e que não pode ser desprezado na contabilidade. Quase todos os portais e redes de TV têm suas colunas e programas que tratam, bem ou mal, desse assunto.

Reprodução: Google

Mas o caso de Anitta é um exemplo de como as entranhas desse jornalismo são mais complexas. Primeiro, há uma simbiose clara entre a cantora e Leo Dias desde que ele escreveu a biografia “Anitta Furacão”, no ano passado. Mesmo anunciada como “não autorizada”, a obra é extremamente laudatória e alguns sites de celebridades a descreveram como trabalho de um “jornalista amigo da cantora”.

A briga entre eles mostrou mais. A cantora era, além de fonte de notícias sobre si mesma, uma informante de fofocas sobre colegas. Num post vazado por Dias, Anitta fala sobre um suposto caso extraconjugal da atriz Marina Ruy Barbosa e o pressiona a publicar a história. Ela se defendeu dizendo que era chantageada por Dias para que lhe fornecesse informações, sob pena de ter a sua carreira destruída.

Isso chocou dois jornalistas de celebridades ouvidos em anonimato. Segundo eles, esse tipo de relação com uma fonte do nível de Anitta, mesmo que desejada, é praticamente impossível de se conseguir, principalmente se você for seguir a ética jornalística.

Segundo uma jornalista que apresenta um programa do gênero na televisão, houve uma mudança brutal nos últimos anos depois do surgimento da internet e das redes sociais. Nos anos 2000, as celebridades corriam atrás dos jornais para plantar notas favoráveis a eles em colunas sociais.


Author

Share